FECC Pagehead Graphic
FECC Convention 2003 REPORTS  
Special thanks to the webmaster's wife Wendy who put togeher this page as well as this photo scrapbook page Wendy Collins Ovar FECC page
along with the journalist who wrote most of these articles
 
Luis Ventura for Journal de Ovar which is a part of
A Folha Cultural at .jornalregional.com
Ovar, Aveiro, Portual- 2003 Carnaval Capital
is a visitor's guide our sister site Carnaval.com put together to highlight Ovar as a key destination in an important new tourist zone.
 Special Thanks to the
WorldLingo Translator  which worked much better than the other Portuguese to English translaters Wendy tried
 

Henry van der Kroon, presidente da FECC:
“Lamento ausência de cidades portuguesas”
 

Henry van der Kroon, president of the FECC
 
"Laments absence of Portuguese cities"

Até para o ano em Pernik 

See you in Pernik 


José Américo, presidente da Fundação do Carnaval de Ovar:
Desesperadamente à procura de terrenos”
 

Jose Américo, president of the Foundation of the Carnival of Ovar:  "Desperate land search"

Representantes do Governo não faltaram 

There was no lack of Government Representatives


Wendy Collins, fotógrafa do site www.carnaval.com Em busca da melhor imagem 

Wendy Collins, photographer from www.carnival.com -In search of the best image


Luís Fernando Vieira, representante do Rio de Janeiro, Brasil:“As Escolas do Rio que se cuidem” 

Luis Fernando Vieira, representative of Rio De Janeiro, Brazil:"the Schools of Rio take care of it all",

 

 

 

Representantes do Governo não faltaram

No âmbito da Convenção da FECC, o presidente da Câmara de Ovar, Armando França, recebeu no passado dia 5 de Junho, no salão nobre dos Paços do Concelho, membros do Governo e presidentes de Câmaras de alguns dos países e cidades, respectivamente, representados neste certame. 

Da lista fazia parte Nassima Ghannouci, membro do Parlamento da Tunísia; Witmars, Mayor de Novidolski, Croácia; Frank Czepok, representante do Mayor de Cottbus, Alemanha; R. Breyer, vice-Mayor de Pétonge, Luxemburgo; Vinhas, vice-Mayor de S. Cruz de Tenerife, Espanha; Andrej Andreev, Mayor de Pernik, Bulgária; Chris Seid, Mayor de Nadur, Malta; Tatarski, Mayor de Razoog, Bulgária; Ruiz Modesto, Mayor de Aruba, e Charlie Anthony, membro do Parlamento de Bonaire.

Após a recepção, tiveram lugar os habituais discursos. O presidente da FECC, Henk Van Der Kroon, deu as boas-vindas a todos, agradecendo a sua presença, o que só contribui para o sucesso da Convenção. Seguiu-se a intervenção de Andrej Andreev, Mayor de Pernik, Bulgária. Na sua breve intervenção reforçou a ideia de que “a FECC faz com que as pessoas se aproximem umas das outras. O mundo não é assim tão grande e o Carnaval aproxima-nos uns dos outros”. Exprimiu ainda o desejo que esta Convenção seja um sucesso, agradecendo a todos o simples facto de Pernik também estar representado, pois “é um prazer estar em Ovar mais uma vez”.

Armando França começou por salientar que “estamos muitos orgulhosos e satisfeitos por termos aqui tantos representantes políticos. Creio que é a primeira vez que isto acontece em Ovar”. Tudo isto graças ao Carnaval, que no entender do autarca “é esta grande festa que nos mobiliza a todos”. Apesar do município ser pequeno, “fazemos apostas fortes e uma delas é o Carnaval, porque é importante para sustentar o nosso desenvolvimento”, sublinhou Armando França. No final, o edil expressou um desejo: “espero que nos fiquem a conhecer um pouco mais e aconselhem os vossos compatriotas a virem a Ovar”.

Para terminar em grande este encontro, houve a troca de lembranças entre a autarquia e os representantes dos vários países presentes.


Célia Nunes

 

 There was no lack of Government Representatives 

During the Convention of the FECC, the speaker of the house of Ovar, Armando Franca,  received the FECC members in the noble hall of the Paços of the Concelho on the 5th day of June.  Members included Government representatives and  Presidents of Chambers of  the countries and cities,  represented in this conference.     

The list included:  Nassima Ghannouci, to member of the Parliament of Tunisia; Witmars, Mayor de Novidolski, Croácia; Frank Czepok, representative of the Mayor de Cottbus, Germany, R. Breyer, vice-Mayor of Pétonge, Luxemburg; Vines, vice-Mayor of S. Cross of Tenerife, Spain; Andrej Andreev, Mayor de Pernik, Bulgaria; Chris Seid, Mayor de Nadur, Malta; Tatarski, Mayor de Razoog, Bulgaria; Modest Ruiz, Mayor de Aruba, and Charlie Anthony, to member of the Parliament of Bonaire.

After the reception, the habitual speeches were made. The president of the FECC, Henk Van Der Kroon welcomed everyone, thanking all present for what they contributed to the success of the Convention. This was followed by a speech by Andrej Andreev, Mayor de Pernik, Bulgaria.  In his brief talk he said that "the FECC helps people  bring people together. The world does not seem as large  when the Carnival brings us together.".  He stated his wish for a successful  Convention.  For him, just having  Pernik represented makes this a success. "it is pleasure to be in Ovar for the first time".

 

Armando Franca pointing out that "we are very proud and satisfied with the many representatives and politicians here. I believe that it is the first time that this has happened in Ovar ". Everything  favors you the Carnival, that in understanding of the autarca "this great party moves us al". Despite the City being small, "we make positive efforts and one of them is the Carnival, your support is important to our development", underlined Armando Franca. In the end, the councilman expressed the desire: "I hope you learn a little about the people and you will tell all your friends Ovar".

 

This great meeting ended with the exchange of  gifts between the representatives of the  countries.  

Célia Nunes

 

 

 

Ementas quebra-cabeças 

Sinésio Godinho, da Comissão Executiva da Fundação, foi quem defendeu a candidatura de Ovar à organização desta 23.ª Convenção, na cidade espanhola de Tenerife. “Nessa altura, o presidente da FECC ficou encantado com a nossa apresentação”, conta ele.

Segundo contou, “foi muito desgastante organizar esta convenção, mas devíamo-lo aos grupos e escolas de samba vareiros”. Uma das maiores dificuldades encontradas ao longo desta semana, segundo nos segredou, foi agradar a 160 estrangeiros, já sem falar nos portugueses. “Alguns tinham idade avançada, por exemplo, e o programa tinha que ter em atenção o descanso dessas pessoas”. A alimentação foi outro quebra-cabeças, com gente proveniente de diversas latitudes e culturas. Os tunisinos não comiam porco, um dos norte-americanos era vegetariano, outros elementos não comiam isto outros não ingeriam aquilo. “Mas tudo foi pensado e resolvido graças a um trabalho de equipa onde todas as pessoas trabalharam gratuitamente”, observou.

O programa foi “equilibrado”, na opinião de Sinésio Godinho, “mostrou Ovar, a região, a cidade do Porto, por ser uma cidade mundialmente conhecida, o santuário de Fátima, um dos maiores do mundo, Santa Maria da Feira, Aveiro”. A organização chegou a pensar em Coimbra ou Lisboa, mas depressa abandonou a ideia “por ser mais longe e extenuante andar mais tempo de autocarro”. 

Luis Ventura

 

Sinésio Godinho, of the Executive Commission of the Foundation,

was the one who promoted  the candidacy of Ovar to host this 23.ª Convention of the FECC.  He made his presentation during the FECC convention in the Spanish city of Tenerife. "In this height, the president of the FECC convinced by the was magic of our presentation", he said.


He said he, "was very desgastante to organize this convention, as we had the a variety of types of groups including sambe schools". One of the biggest difficulties to the long week, second in segredou them, was  pleaseing the 160 foreigners, many who did not speak Portuguese. "Some were of  advanced age, for example, and the program had to consider all the people". The food was another puzzle, with people coming from diverse climates and cultures. The Tunisians did not eat pork, one of the North American's was a vegetarian, others did not eat this others did not eat that. "But everything was worked out, thanks to the all the people who worked gratuitously", he observed.


The program "was balanced", in the opinion of Sinésio Godinho, "We showed Ovar, the region, the city of Oporo, a city known world-wide, the sanctuary of Fátima, one of the greatest of the world, Saint Maria of the Fair, Aveiro". The organization thought about going to Lisbon, but soon abandoned the idea because it was "too far too and much time on the bus".


Luis Ventura

 

 

 

Wendy Collins, fotógrafa do site www.carnaval.com

Em busca da melhor imagem

Esta fotógrafa norte-americana já correu meio mundo atrás de carnavais mas o de Ovar ficou-lhe na objectiva.

Wendy Collins veio integrada na delegação dos Estados Unidos da América e foi logo das primeiras com quem contactámos. Ávida de contactar com os nativos desta terra, ficou imensamente feliz por poder desenferrujar o seu inglês. Pensava ela que os portugueses falavam mais inglês…
Ela e o marido – que desta vez não veio, são grandes fãs de todo o tipo de  Carnaval e então marcam férias para países onde ocorra um desfile. É que há cortejos durante todo o ano em qualquer parte do Mundo. “Já estivemos no Rio de Janeiro, eu na bancada e ele no chão, na passerelle, corpo a corpo com as escolas de samba”, conta ela. 

 


Wendy é uma norte-americana com cerca de 40 anos mas mantém uma frescura de espírito tal que lhe permite vibrar com os folguedos carnavalescos. 
Então tornou-se na repórter fotográfica do site
www.carnaval.com, com sede nos EUA. Como não consegue viver exclusivamente das fotografias que tira e publica neste sítio da Internet, tirou um curso de fisioterapeuta, ocupação que passou a ser a principal da sua vida. 

A Portugal foi a primeira vez que veio. “Gostei tanto do desfile de hoje, que vocês nem imaginam”, confidenciou-nos ela no domingo à noite, algumas horas antes de embarcar de regresso à cidade de São Francisco. “Tanta variedade, tanta cor, quando pensávamos que já tínhamos visto tudo, aparecia mais um grupo fantástico. Vocês estão mesmo de parabéns”, relatou, convicta. 

Quer acreditem quer não quando estiverem a ler esta peça, Wendy diz que gostou mais de Ovar do que do Rio de Janeiro, “pela criatividade e grande imaginação nas encenações”. “No Rio, é sempre a mesma coisa, torna-se monótono”.

Em S. Francisco também se realiza um grande desfile, no último fim-de-semana de Maio, mas é bastante diferente. Conforme descreveu, “vêm grupos de Trinidad & Tobago, Cuba, Hawai e outros cantos da América e Europa, como um que veio da Suécia este ano”. Mas são todos muito idênticos a imitar as escolas de samba brasileiras. “Na minha terra não temos nada que se compare com os vossos carnavalescos que, acima de tudo são muito engraçados e dão fotos óptimas”, diz ela. “Uma vez, houve um grupo de pessoas que se vestiu só de relva e penso que tenha sido o mais aproximado que tivemos em S. Francisco”, explicou.
Esta fotógrafa norte-americana reparou numa outra coisa: a confecção dos fatos. “Já fui a vários Carnavais e os fatos estão bem feitos para quem vê ao longe, porque se nos aproximarmos há coisas que se notam não estarem tão bem”, conta ela. Em Ovar é diferente. “Ao longe é bonito e ao perto é… perfeito. Está tudo certo, muito bem feito, nota-se um grande cuidado na elaboração dos fatos. Os meus parabéns”. E antes de ir embora, apelou: “Esforcem-se por manter o vosso Carnaval tal qual ele é”.

Luis Ventura

  Wendy Collins, photographer of the site www.carnival.com

In search of the best image This North American photographer has already visited half of the world's carnivals.  

 

Wendy Collins came as part of the delegation from the United States of America.  She was of the first ones with to contacted us.  She was eager to make contact with the natives of this land, she was immensely happy for being able to remove the rust from our English. She thought few Portuguese spoke English. She and her husband are great fans of all the types of Carnival and then they save vacations for countries where a parade occurs. She said that they visit carnavals wherever they occur during the year in any part of the World. "Already we have visited Rio De Janeiro, I sat in the bleachers to watch the parade. My husband was on the street, body to body with the dancers in the  samba schools". 

Wendy is a North American with about 40 years but she keeps a spirit of freshness that allows her to vibrate with the  spirit of the carnavalescos. 
She is a  photographic reporter of the site www.carnaval.com., headquartered in U.S.A.. She does not make her living exclusively of the photographs that she takes and  publishes on this internet site.  She is a physiotherapist.  This occupation is how she makes a living.  

This is her first time in Portugal.  "I liked the parade today, it showed lots of imagination", She told me on Sunday night, some hours before she was to return to the city of San Francisco. "So much variety, so much color.  When we thought we had seen everything, there appeared another more fantastic group. I congratulate you".  

You may not believe it when you read this part.  Wendy says that the she liked Ovar more than Rio De Janeiro, "for the creativity and great imagination in the stages". "In Rio, the groups are all one style, it can becomes monotonous".

San Francisco also if has a great parade, on the last weekend of May, which includes various types of groups. She described, "we have groups from Trinidad & Tobago, Cuba, Hawaii and other countries of America and Europe, including one that came from Sweden one year". We have groups many Samba schools but "In my land we do not have anything that compares with your carnavalescos, they are very funny and give excellent photos", she said. "one time in San Francisco, we had a group of people that dressed completely with astroturf this group is similar to the  carnavalescos."


This North American photographer said another thing: "I  have seen many types of carnivals”, she continued. Ovar has much variety. "Your parade is beautiful, fabulous, my congratulations to you and your city ". She said before leaving "please keep your Carnival as it is".

Luis Ventura

 

 

Cerimónia de encerramento
Até para o ano em Pernik
 

A XXIII Convenção da FECC encerrou no passado sábado. Depois do desfile nas ruas do centro de Ovar, reuniram-se todos no Orfeão de Ovar para assistir à passagem de testemunho para Pernik

  Depois do tão aguardado desfile de sábado à tarde, decorreu no Orfeão de Ovar a sessão de encerramento da XXIII Convenção da FECC. Antes das despedidas, ainda houve tempo para trocar umas últimas lembranças. 

Henk Van Der Kroon, presidente da FECC, fez questão de chamar toda a equipa da Fundação de Carnaval de Ovar para proceder às respectivas ofertas. “Esta equipa foi maravilhosa e é a responsável por tudo aquilo a que se assistiu”, salientou. José Américo recebeu das mãos de Van Der Kroon uma salva de prata com as seguintes palavras gravadas: “Pelo Trabalho e Amizade”.

O presidente da Câmara, Armando França, agradeceu em nome do município todas as prendas que recebeu, não só nesta sessão de encerramento como também ao longo de toda a Convenção. “Estamos a acabar de viver um momento único na história do município de Ovar e também na história do nosso Carnaval. Sinto uma enorme satisfação, tão grande quanto a dimensão desta Convenção”. O edil sublinhou o facto de Ovar ser uma cidade pequena, mas com um grande Carnaval, e por isso “foi um desafio enorme organizar esta Convenção que foi muito bem sucedida”. 

Os seus agradecimentos foram para os responsáveis da Fundação de Carnaval, para as guias e interpretes , bem como para a comunicação social, “especialmente à local que fez um grande trabalho, tendo em consideração a dimensão desta Convenção”, realçou Armando França. 


Por fim, o autarca expressou o seu reconhecimento pelo esforço e dedicação dos grupos e escolas de samba, “sem os quais a Convenção não teria o brilho que teve”. 

À FECC, Armando França agradeceu a confiança depositada para a organização deste evento. “Apresentámos o que temos de genuíno e verdadeiro. Desejo uma boa viagem a todos e tudo de bom para Pernik que tem a responsabilidade de organizar para o ano a XXIV Convenção”, exprimiu.

Van Der Kroon, evidenciando sempre uma óptima disposição, realçou a hospitalidade que encontrou em Ovar. “Foi tudo excepcional”, sublinhou. “No fim a bandeira da FECC será levada para Pernik e todos teremos momentos magníficos para recordar, pois todos se divertiram e participaram neste desfile de Carnaval”.

O presidente da FECC evocou todo o trabalho realizado, pois “vocês fizeram o melhor que puderam  colocaram Ovar na primeira fila do Carnaval do mundo. Quando todos nós regressarmos a casa, vamos dizer que Ovar é uma grande cidade com Carnaval”. 

Como não poderia deixar de ser, terminou o seu discurso com o famoso grito: “Yassou”.
“Objectivos alçançados”
José Américo, presidente da Fundação de Carnaval de Ovar, crê que todos os objectivos foram alcançados. “Uma Convenção, um povo inteiro reuniu-se em Ovar. Ficaram a conhecer o nosso concelho, a nossa região e o nosso país”, referiu. Sobre a tarde do desfile, José Américo resumiu tudo numa frase: “ficaram a conhecer a alma do Carnaval vareiro”. As suas últimas palavras foram de agradecimento para os grupos e escolas de samba que são o orgulho deste Carnaval.
Para o final da cerimónia estava reservada a passagem de testemunho para a cidade de Pernik, na Bulgária, que vai receber a próxima Convenção. O Mayor, Andrej Andreev, referiu que a responsabilidade vai ser maior, uma vez que “cá em Ovar correu tudo muito bem e para nós vai ser mais díficil ser superior a tudo isto. “Para vós termina hoje a XXIII Convenção, mas para nós começa amanhã a próxima”. Em 2004, “sejam benvindos na Bulgária”, rematou Andrej Andreev.
Esta cerimónia encerrou com a bandeira da FECC, que nós habituámos a ver em Ovar nos últimos dias, a passar das mãos de Armando França para as mãos de Andrej Andreev.



Célia Nunes

The Closing Ceremony
See you in Pernik  for the XXIII the Convention of the FECC
 

After the parade in the streets of Ovar, all assembled in the Orfeão de Ovar to attend the designation of  Pernik as host for the next convention.

After watching the parade Saturday afternoon, the miembers gathered in the Orfeão de Ovar for the closing ceremony  of XXIII  Convention of the FECC.   Before the farewells, there was still  time to exchange final souvenirs. 

 

Henk Van Der Kroon, president of the FECC,  called all the representatives from the  Foundation of Carnival of Ovar to the stage. "These people are wonderful and are responsible for  this wonderful event", he  exclaimed. 

Jose Américo received from the hands of Van Der Kroon a silver plaque thanking him for his "work  Friendship".

 

The speaker of the house,  Armando França, thanked every one involved in the convention, on behalf of the city.   "We are part of a moment in the history of the city of Ovar and in the history of our Carnival. I feel an enormous satisfaction at the great reach of this Convention ". The councilman underlined the fact of Ovar is a small city with a great Carnival.  "it was an enormous challenge to organize this Convention but it was very successful". 

 

 

Armando Franca expressed gratitude for to the  leaders of the Foundation of Carnival, to the guides and interpreters, as well as for the socializes, "they did a great job especially considering the size of this convention"

 

 

In conclusion, he recognized  the effort and devotion of the carnaval groups and samba schools, "without which the Convention would not have the shine that it had". 

Armando Franca thanked the FECC for the confidence placed in the organizers of this event. "It was our genuine and true desire, that you have a good visit (in Ovar).  Best wishes for Pernik, who has the responsibility to organize next year's XXIV Convention. "

 

Van Der Kroon, in excellent spirits, emphasized  the hospitality that found in Ovar. "It was all exceptional.  Now the flag of the FECC will be passed to Pernik.  We leave with  wonderful memories (of Ovar), where we had fun participating in your Carnaval Parade.".

 

The president of the FECC said "the carnaval in Ovar is one of the best.    had placed Ovar places with the first line of the Carnivals in the world. When all we  return home, we are going to say that Ovar is a great city with a great Carnival ". 

 

 

He could not leave without  famous shout: "Yassou".

José Américo, president of the Foundation of Carnival of Ovar, believes that all the objectives had been reached. "a Convention, an entire people were congregated in Ovar. They came to know our region and our country ."  On the afternoon of the parade, Jose Américo summarized everything in a phrase: "they know the soul of our  Carnival". His last words were thankfulness to the groups and schools of samba that are the pride of this Carnival.  For the closing ceremony the metal of certification for the city of Pernik was presented.  The next convention will be in Bulgaria. 

 The Mayor, Andrej Andreev, said that the responsibility will be big.   "In Ovar  everything here went very well.  It is going to be difficult to do better. "For you the XXIII FECC Convention ends today, but for us, the next one starts  tomorrow".Andrej Andreev finished with  In 2004, "you  are welcome in Bulgaria",  .This ceremony closed with the flag of the FECC, that we have become accustomed to seeing in  Ovar over the last few  days, passed from the hands of Armando Franca to the hands of Andrej Andreev. 

Célia Nunes

 

  

 

Luís Fernando Vieira, 
representante do Rio de Janeiro, Brasil:

“As Escolas do Rio que se cuidem” 

Afinal, o carnaval do Rio de Janeiro teve um representante na convenção. Luís Fernando Vieira, musicólogo e júri do desfile das escolas de samba, apreciou o carnaval vareiro 

 

Jornal de Ovar (JO): Que balanço é possível fazer desta convenção?

Luis Fernando Vieira (LFV): Já tive oportunidade de estar em vários lugares do Mundo onde se faz Carnaval, mas posso dizer uma coisa: Em primeiro lugar, Portugal não é outro país, é o meu país. É a primeira vez que cá venho, mas fiquei com a certeza de que somos irmãos e um só país. Costumamos dizer que a nossa pátria é a língua que falamos, e é por isso que tenho passado muito tempo desta convenção com os elementos da delegação portuguesa e sinto-me como se estivesse em casa, no Brasil. Nada mais agradável do que ter uma recepção excepcional como aquela que tivémos. A comida é óptima e a forma como o povo português recebe os brasileiros é maravilhosa, dando-nos a impressão que somos muito mais do que aquilo que representamos efectivamente. E na verdade, vocês é que são tudo e sem vocês não seríamos nada.


JO: Cumpriram-se as expectativas que tinha quando chegou?

LFV: Nestes dias, contactei com diversos elementos de escolas de samba e grupos carnavalescos aqui de Ovar e eles foram-me contando como tudo se processa aqui. Uma coisa é você ouvir dizer e outra bem diferente é ver. Já tinha tido oportunidade de ver algumas cassetes de vídeo com o cortejo de alguns anos e fiquei encantado com a bateria das escolas de samba de Ovar que não ficam a dever absolutamente nada às escolas de samba do Rio de Janeiro e com certeza que o crescimento das escolas de samba de Ovar vai proporcionar grandes surpresas para as escolas do Brasil. Se elas não se cuidarem, Ovar toma conta!

 


JO: Você também é formador de júris no Carnaval do Rio de Janeiro. Como é que se processa essa formação? Esta é uma temática muito polémica também cá.

LFV: Eu sou uma das pessoas que faz a formação dos jurados no Rio de Janeiro. Fiz também parte do Conselho do Carnaval do Rio de Janeiro onde se fazia um relatório dando opiniões sobre o desfile do Carnaval do Rio.

O órgão terminou há alguns atrás, mas deverá regressar em breve, já que decorrem negociações para o fazer voltar. Eu penso que se você entrega a um jurado um papel escrito e simplesmente depois cobra dele um resultado, vai obter dele apenas uma interpretação fria de um papel que como é escrito é sempre um papel. Mas se você entrega esse papel a um jurado e explica as ‘nuances’, observações, as críticas que devem ser observadas em primeiro lugar, você vai estar dando a ele não só um suporte técnico, mas também uma linguagem que vai ser comum a todos os participantes daquele júri. A única coisa que os vai diferenciar será a emoção e essa depende da cultura, formação e individualidade de cada um.

 

JO: A sua vida é só Carnaval ou também faz outras coisas?

LFV: Eu sou professor universitário e dou aulas de formação de Cultura Contemporânea Brasileira na Faculdade de Comunicação e Turismo Élio Alonso. Em paralelo com essa actividade, faço muita pesquisa, e publico-a em jornais e revistas. Neste momento, já tenho vários livros publicados, um sobre Geraldo Pereira, chamado “O Escurinho Direitinho”, em parceria com Luís Pimentel, “Na Corda Bamba do Samba”, em parceria com Luís Pimentel, que trata da vida de Wilson Baptista, “Os Sambas da Mangueira”, uma obra que compila todos os sambas desta escola desde o seu nascimento, em 1929, até 2002. A primeira edição en contra-se esgotada e sai a segunda edição este ano. Lancei também agora em Novembro, “Luís Peixoto: pelo Buraco da Fechadura”, um grande teatrólogo brasileiro, parceiro de Ary Barroso, o autor de “Aguarela do Brasil” e que fez o lançamento de Ary Barroso na música. Vou lançar agora mais dois livros: “80 anos de Glória da Portela”, com Iran Araújo e Vicente Dodoli e “D. Neuma da Mangueira, Primeira Dama”, com André Freire, um medido que reside em Portugal.

JO: Há alguma possibilidade de vermos estes livros editados em Portugal?

LFV: O meu grande desejo era esse, porque apesar do Brasil ser um país enorme, em Portugal vende-se muito mais livros que lá. O meu sonho era que se alguma editora, não só desta região, estiver interessada, pode contactar o “Jornal de Ovar” e entraremos logo em contacto e terei o maior dos prazeres em atendê-los a todos. 

Luis Ventura

 

Luis Fernando Vieira, representative of Rio De Janeiro, Brazil:

 "the Schools of Rio take care of it all",

The carnival of Rio De Janeiro had a representative in the convention. Luis Fernando Vieira, musicologist and one of the judges for the parade of the samba schools, appreciated the  carnival variety.

Periodical of Ovar (JO): What balance is possible to make this convention? Luis Fernando Vieira

(LFV): Already I had chance to be in some places of the World where Carnival takes place, but can say this: In the first place, Portugal is not another country, is my country. It is the first time that I come here, but I was  certain that we are brothers and one alone country. Costumamos says that our native land is the language that we speak, and this convention, spending time with the Portuguese delegation, it felt like I was home, in Brazil. Nothing could be more pleasant then to have an exceptional reception, like we have had. The food is excellent and the way the Portuguese people receive the Brazilians is wonderful, giving us the impression that we are much larger than we really are.  In the truth, you are everything and without you we would not be nothing.

JO: Have the expectations that you had when arrived been met?

LFV: In these days, there has been contact with various elements of samba schools and the carnavalesco groups of Ovar and they had been in contanct with me  as everything is processed here. It is one thing to hear about it but another to see it in person. 

 Already I had had a chance to see some video cassettes footage ofother years.  I was enchanted  by the batterias of the samba schools of  of Ovar.  They are not to absolutely have it nothing to the schools of samba of Rio De Janeiro. Certainty, the growth of the samba schools of Ovar is going to provide a great surprise for the samba schools of Brazil. If they do not watch out Ovar will over take them!

JO: You are involved in the judging of the Carnival of Rio De Janeiro. How it is that this processed? This is a problem here as well. (this is thematic a very polémica one also here. ??)

LFV: I am one of the judges in Rio De Janeiro.  I also am Advisory board of the Carnival of Rio De Janeiro that makes a report giving opinions on the parade of the Carnival of Rio.

The agency finished has some work, but it has more work ahead of it, this is complicated by the fact that negotiations have elapsed on reinstating the agency.  I think that if you delivery  a written paper and simply leave it at the the result is a cold interpretation of the report.  A written report is just a piece of paper.  But if you delivery this paper to a jury and explain ` nuances ', comments, critical that they must be observed in first place, you are going to be giving only  technical support.  Adding nuances allow the report to speak the language that is understood by all the participants in the jury process. The only difference they will notice  will be the emotion.  This is dependent on the culture, formation and individuality of each person.

JO: Do you make a living out of Carnival or do you do other things?

LFV: I am university professor and teach  Contemporary Brazilian Culture  in the College of Communication and Élio Tourism Alonso. In combination with these activities, I do a lot or research, which is published in periodicals and magazines. At this time, already I have some books published, one on Geraldo Pear tree, called "the Escurinho Direitinho", in partnership with Pimentel Luis, "the Bamba Rope of the Samba", in partnership with Pimentel Luis, it deals with the life of Wilson Baptista, "the Sambas of the Mangueira", a workmanship that compiles all the sambas of this school since its birth, in 1929, up to 2002. The first edition sold out and  the second edition appears this year.  In November I launched, "Peixoto Luis: for the Hole of the Lock-pelo Buraco da Fechadura", a great Brazilian student of the theater, partner of Ary Barroso, the author of" Aguarela of Brazil " and founder Ary Barroso in music. I will publish two books more: "80 years of Glory of the Portela", with Iran Araújo and Vicente Dodoli and "D. Neuma of pelo Buraco da Fechadura, First Lady ", with Andres Freire, a doctor who lives in Portugal.

JO: Is there a possibility that we will see these books published in  Portugal?

LFV: This is my greatest hope because, despite Brazil being an enormous country, in Portugal they sell many more books that there. My dream was that if some editor, not only of this region, is interested they will contact the "Periodical of Ovar" and will enter into a contact  Ii will be a great pleasure to  take care all of this.

  Luis Ventura

 

 

  José Américo, presidente da Fundação do Carnaval de Ovar:
“Desesperadamente à procura de terrenos”

O presidente da Fundação do Carnaval de Ovar fala da Convenção da FECC e do “despejo” de grupos e escolas de samba das antigas instalações do F. Ramada. Jornal de Ovar

(JO): Como é que se faz um balanço de um evento desta natureza, envolvendo tantos participantes?

José Américo

(JA): Tratou-se de um desafio, um evento de grande envergadura e que só o trabalho de equipa – comissão, conselho de administração, comissão executiva, comissão auxiliar, grupos e escolas de samba, conseguiu levar a bom porto.

JO: Havia alguma expectativa especial por parte das delegações para ver o cortejo vareiro?

JA: Eles já tinham visto vários vídeos e descobriram logo que o nosso tem características muito particulares e não se retraem de nos dizer que o Carnaval de Ovar é de grande qualidade e riqueza e que esta reside, fundamentalmente, na sua diversidade.

JO: A Fundação do Carnaval de Ovar retirou ilações dos debates e “workshops” que constaram do programa?



JA: Sim, e posso até adiantar uma das intervenções a que tive oportunidade de assistir, a de Tenerife, que foi muito interessante. Trouxe-nos ensinamentos do ponto de vista económico, pois os meios envolvidos lá são de grande envergadura e a grande participação popular e das empresas é uma realidade. Também a delegação da Finlândia abordou essa questão, frisando o apoio do tecido empresarial nos festejos. E penso que aí é que reside o segredo do salto que temos de dar em termos de Carnaval de Ovar, e que passa por envolver ainda mais as empresas na organização do Carnaval.


JO: Já se fez alguma coisa nesse sentido?


JA: Sim, tivemos uma produtora de cerveja a apoiar os festejos deste ano, porque fomos à procura dela, mas gostaríamos que as empresas do concelho e não só tomassem elas próprias a iniciativa. E não é só na perspectiva de nos darem benefícios financeiros, mas elas próprias podem também tirar benefícios disso. Por exemplo, nesta Convenção com cerca de 200 participantes, de vários de ramos de actividade, podiam estar aqui excelentes oportunidades de negócio. Não se falou só de carnaval, falou-se muito de turismo, por exemplo.


JO: Houve uma preocupação em mostrar a região em que Ovar se insere, mas não se exagerou um tanto, esquecendo um pouco a sede da convenção?


JA: Eu disse na cerimónia de abertura que queríamos mostrar Ovar e contribuir para mostrar o concelho, a região e o país, porque julgo que estávamos assim a consolidar a grandeza do nosso Carnaval. Isto é, em vez de estar a fechar-nos sobre nós próprios, penso que é assim que poderemos crescer mais cá dentro e não só.


JO: Uma organização destas custou muito dinheiro. Em termos de dividendos que se extrairão para a cidade, é compensatório?


JA: Sim, desde logo porque grande parte do investimento que está a ser feito é reinvestido no nosso concelho, quer seja nos hotéis, na alimentação, etc, por outro lado, estamos a dar a conhecer o nosso concelho a 25 países do mundo, e isto é um grande investimento para Ovar e para o concelho. A própria comunicação social desses países que aqui se deslocou está a dar a conhecer Ovar aos seus países de origem.

Nós temos tendência para desprezar aquilo que fazemos. Penso que organizámos uma convenção recheada, que pode ter falhas, mas o programa teve a preocupação de ser intenso, quer na vertente turística, quer na vertente de análise sobre o Carnaval, o que faltou em anteriores convenções.


JO: Voltando cá para dentro: Há grupos e escolas de samba que vão ficar sem casa com a demolição das antigas instalações do F. Ramada. Que solução para eles?

JA: O Conselho de Administração desta Fundação já tinha essa preocupação mesmo antes da Convenção se iniciar. Estamos desesperadamente à procura de um terreno, e para esse efeito, já nos deslocámos à DRABL (Direcção Regional de Agricultura da Beira Litoral) porque já temos um terreno de 1,2 hectares mas que está afectado pelo Regime Florestal e não se pode construir. Mais uma vez estamos limitados para contribuir para o desenvolvimento de uma estrutura, curiosamente, numa zona que nem árvores tem.

LV

 

Jose Américo,
president of the Foundation of the Carnival of Ovar:  "Desesperadamente to the land search"
   

 

The president of the Foundation of the Carnival of Ovar says of the Convention of the FECC and the ousting of groups and schools of samba of the old installations of the F. Branches    

JO: How does an event of this nature, involving as many participants, come about? 


JA: This was a challenge, an event of great proportions which required  the work of  equips - commission, advice of administration, executive commission, commission auxiliary, groups and schools of samba, to make it come off well. 

JO: There were great expectations on the part of the delegations from many countries? 


JA: They already had seen some videos and soon discovered  that our parade has very particular characteristics.  They did not leave without saying  that the Carnival of Ovar is of great quality and wealth and diversity.  

JO: The Foundation of the Carnival of Ovar produced the debates and "workshops" that constituted the program?   

JA: Yes,  I had a chance to attend the program from Tenerife.  It  was very interesting. They brought us teachings from  the economic point of view, including ways to increase  the all important popular participation and making the participation of companies a reality. Also the delegation of the Finlândia approached this question, emphasizing the support of the community in the festivals.  This is interesting, in terms of the Carnival of Ovar, if we can find a way to increase involvement of companies in the organization of the Carnival.  

JO: Are you already moving in this in this direction? 

JA: Yes, we had a beer producer supporting the festivals this year, because we looked for a company.  We would like them to begin to seek us out. We are not alone in thinking we can provide financial benefits to them and they provide benefit for us.  

 For example, in this Convention with about 200 participants,  there could be excellent chances of business here. The convention not only promotes carnival it promotes tourism.

  JO: Were you concerned about showing the region of Ovar  but not emphasizing the region so much that the city of Ovar, headquarters of the convention, is forgotten about?

JA: I said in the ceremonial  opening that we wanted to show Ovar and to contribute to show concelho, the regionand the country, because I thought that we could consolidate the reach of our Carnival. That is, instead by reaching beyond Ovar proper we will be able to grow not just the city but the region.

 

 

 


JO: An organization of this size costs a lot of money. In terms of shares that will be extracted for the city, is it compensatory? 


JA: Yes, since the largest  part of the investment that is to be made is reinvested in ours concelho,  either in the hotels, the meals, etc, on the other hand, we are showing our concelho the 25 countries of the world, and that is a great investment for Ovar and concelho. The proper way to show Ovar is to show it as part of its native region. 

We have trend to disdain what we make. I think that we organized full convention, that can have imperfections, but the program was intense, wants in the tourist source, wants in the analysis source on the Carnival, what it lacked in previous conventions.

 

JO: Coming back to the point: We have groups and schools of samba that will be without a home with the demolition of the old installations of the F. Branches. What solution for them?   

JA: The Advice of Administration of this Foundation already had this same concern before the Convention began. We are desesperately searching for land, and to this effect, we have already  located landand are discussing   in the them to the DRABL (Regional Direcção of Agriculture of the Coastal Side) because already we have a land of 1,2 hectares but that it is afectado by the Forest Regimen and if cannot construct. One more time we are limited to contribute for the development of a structure, curiously, in a zone that nor trees has.

Luis Ventura

 

 

 

 

Henry van der Kroon,
 presidente da FECC:

“Lamento ausência de cidades portuguesas”
\


O holandês que preside aos destinos da FECC não escondeu o seu desalento pela ausência de outras cidades portuguesas carnavalescas mas isso não o impede de achar que Ovar pode ser a sede da FECC lusa.

Jornal de Ovar (JO): Com que opinião ficou do desfile que acabou de observar?
Henry Van Der Kroon (HVDK): Como já disse variadíssimas vezes, este desfile é único, é fantástico. Não há hipótese de não gostar. Se formos humanos temos de gostar. Viu a reacção dos outros elementos da FECC? Ela diz tudo.

JO: O que fica desta 23ª Convenção da FECC realizada em Ovar?
HVDK: Fica sempre qualquer coisa dos debates, dos “workshops” e fundamentalmente do convívio que se gera entre todas as delegações. Mas o que eu mais queria sublinhar é a insuperável hospitalidade que nos estava reservada. Nunca tínhamos estado em Portugal para uma organização deste género e foi uma agradável surpresa, graças à colaboração da Câmara Municipal de Ovar e ao trabalho da Fundação do Carnaval de Ovar. Tive oportunidade de auscultar as delegações e estavam todas com muito boa impressão da convenção. Os passeios também foram muito interessantes.

JO: O que destacaria dos debates que decorreram no Europarque, em Santa Maria da Feira?


HVDK: Eu queria dizer que gostei muito de ver a juventude que representa o Carnaval de Ovar nos debates e eu próprio falei com eles para aprender coisas deles e para saber se têm captado outras experiências e trocado contactos para futuros intercâmbios, por exemplo, com outros países, pois devem aproveitar estas oportunidades para cultivar contactos com outros países. Eu vi todas as delegações misturadas a tirar fotografias e isso é muito bom.


JO: Como já teve oportunidade de assistir ao Carnaval de Ovar, quando lhe perguntam como o caracteriza?

HVDK: Todos os Carnavais são diferentes. O Carnaval dos países balcânicos é diferente de Itália, e este é distinto de Chipre e o Carnaval da Suécia é diferente do Carnaval de Espanha e por aí fora. Nunca se pode fazer comparações do Carnaval de cada país. Aliás, há países que têm várias formas de festejar o Carnaval e isso torna-se bastante difícil quando temos 50 países filiados na FECC. Eu posso é dizer que este é um Carnaval espontâneo que envolve muitos milhares de pessoas nos grupos carnavalescos, de passarele e escolas de samba e muitas outras que não desfilam e ajudam todo o tempo. Há aqui uma grande diferença se compararmos por exemplo com o Carnaval de Tenerife. Ali, só quatro por cento da população se envolve nos festejos e nos grupos, enquanto que aqui tenho a sensação que toda a gente faz parte de uma escola de samba, grupo de Carnaval ou passerelle. É muito bom que as pessoas se associem num grupo ou escola de samba, pois vivemos cada vez mais numa sociedade individualista.


JO: Outras cidades com Carnaval portuguesas foram convidadas mas não compareceram . Isso inviabiliza a criação de uma delegação da FECC em Portugal e mais concretamente em Ovar, como era seu desejo?

HVDK: Eu gostaria que todas as cidades portuguesas com Carnaval tivessem estado presentes na convenção de Portugal, mas isso infelizmente não aconteceu. O que eu quero é que a FECC seja uma família e que mais e mais cidades se juntem a nós e senti falta disso aqui… Foi pena. As cidades portuguesas que faltaram podem ficar com a pena de não terem participado e pensar “oh meu Deus, houve ali uma oportunidade que desperdiçámos”, mas eu não posso forçar ninguém a participar. Foi pena. A delegação da FECC em Ovar é para andar para a frente, porque a FECC traz prosperidade a quem se junta a nós.


Luis Ventura

 

Henry van der Kroon, president of the FECC
 
"Laments absence of Portuguese cities"


The dutchman, who presides over  the FECC did not hide his disappointment at the absence of other carnavalescas Portuguese cities but this does not prevent Ovar being headquarters of the FECC

 lusa Periodical of Ovar: What is your opinion  of the parade that you just ffinished watching? 

Henry Van Der Kroon: This parade is fantastic. It does not possible not to like it. If we are human we have to like. I saw the reaction of the other elements of the FECC? Their reaction says it all.

 

 


JO: What is the 23ª Convention of the FECC held in Ovar? 

HVDK: It is always  debates, "workshops" and the conviviality that is generated between all the delegations. But what I more wanted to underline it is the fantastical hospitality that the FECC received. We had never been in Portugal for an organization of this type and  I was a pleasantly surprised, thanks to the contribution of the City council of Ovar and to the work of the Foundation of the Carnival of Ovar. I had chance to talk with the delegations and everyone had a very good impression of the convention. The tours were very interesting.


JO: What did they think of the debates that took place in the Europarque, in Saint Maria of the Fair?

HVDK: I want to say that I  liked very much seeing  the youth that represents the Carnival of Ovar involved in the debates.  I spoke with them to understand them better and to see if they have had other experiences and made contacts for future exchanges, for example, with other countries.  They must take advantage of these chances to cultivate contact with other countries. I saw all the mixed delegations to take off photographs and this is very good.

JO: How would you charactorize the Carnival of Ovar?  


HVDK: All the Carnivals are different. The Carnival of the Balkan countries is different from Italy, and this is distinct from Cyprus and the Carnival of Sweden is different from the Carnival of Spain. You can not make comparisons of the Carnival of each country. By the way, FECC has countries with mady different forms Carnival and this becomes sufficiently difficult when we have 50 countries festivals in the FECC. I can say that this is a spontaneous Carnival with many thousands of people in the carnavalescos groups involved, the passarele and schools of samba and many others that do not parade but help behind the scenes. 

There is a big difference if you compare Ovar, for example, with the Carnival of Tenerife. In Tenerife, four percent of the population is involved in the festival, while  I have the sensation that all people of Ovar are part of a samba school, group of Carnival or passerelle.  It is very good that the people associate in a group or school of samba, therefore we more live each time in an individualistic society.  

 

JO: Other Portuguese cities with Carnival had been invited but they had not appeared. Is this what you wanted?


HVDK: I would like that all the Portuguese cities with Carnival had been presented to the convention of Portugal, and I was unhappily that it did not happen. What I want is that the FECC is a family and that more and more cities join we and felt lack of this here... It was a loss. The Portuguese cities that did not come lost by not participating.  They must think "oh my God, what a chance we wasted", but I cannot force anybody to participate. It was their loss. The delegation of the FECC in Ovar is for moving onward, because the FECC brings prosperity with it.
 


Luis Ventura

 


Return to Home page www.carnivalcities.com